PRERROGATIVAS, UMA QUESTÃO DE JUSTIÇA!

MATO GROSSO - 23ª SUBSEÇÃO DE CAMPO VERDE

Newsletter


Ir para opção de Cancelamento

Agenda de Eventos

Novembro de 2019 | Ver mais
D S T Q Q S S
# # # # # 1 2
3 4 5 6 7 8 9
10 11 12 13 14 15 16
17 18 19 20 21 22 23
24 25 26 27 28 29 30

Notícia | mais notícias

OAB/MT investigará atuação de advogada presa e atua na defesa de suas prerrogativas

04/02/2013 18:45 | TDP
Foto da Notícia: OAB/MT investigará atuação de advogada presa e atua na defesa de suas prerrogativas

 

       O Tribunal de Defesa das Prerrogativas da OAB/MT, presidido pelo advogado Luiz da Penha Corrêa, buscou a garantia dos direitos previstos no Estatuto da Advocacia e da OAB à advogada presa nesta segunda-feira (4 de fevereiro) em uma operação do Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco). A profissional seria levada para o Presídio Feminino Ana Maria do Couto May, em Cuiabá, porém, no final da tarde foi encaminhada para o 1º Batalhão da Polícia Militar, atendendo ao pedido da Seccional. 
 
       Também acompanharam o cumprimento da prisão o vice-presidente do TDP, Ademar Santana Franco; a secretária-adjunta Fabiane Battistetti Berlanga; e os membros Eduardo Guimarães e Everaldo Batista Filgueira Júnior. Eles foram até a coordenação do Gaeco e à Corregedoria-Geral da Justiça onde protocolizaram um ofício para exigir o cumprimento da prerrogativa. Conforme a Lei Federal nº 8.906/1994, em seu artigo 7º, inciso V, é direito do advogado “não ser recolhido preso, antes de sentença transitada em julgado, senão em sala de Estado-Maior, com instalações e comodidades condignas, assim reconhecidas pela OAB, e, na sua falta, em prisão domiciliar”. 
 
       No Tribunal de Justiça, os advogados foram recebidos pelo juiz auxiliar da Corregedoria-Geral da Justiça, Gilberto Giraldelli, que contatou o juízo que expediu o mandado de prisão preventiva. Ainda há um mandado expedido para outra advogada, conforme informações do Gaeco. O Tribunal de Defesa das Prerrogativas da OAB/MT também solicitou a cópia integral do Inquérito Policial para verificar quais as acusações que pairam sobre as advogadas e, em caso de suspeita de falta ética, remeterá o caso para o Tribunal de Ética e Disciplina da Seccional. O TDP acompanhará de perto toda a tramitação.
 
O caso
 
       Conforme informações divulgadas na mídia, duas advogadas tiveram a prisão decretada por suspeita de envolvimento com uma quadrilha que assaltou duas agências bancárias de Comodoro, a 677 quilômetros de Cuiabá, em outubro do ano passado. Ao todo, devem ser cumpridos 10 mandados de prisão preventiva durante uma operação deflagrada pelo Grupo de Atuação Especial contra o Crime Organizado (Gaeco). No entanto, de acordo com a assessoria do Gaeco, esse número pode ser maior. As prisões foram determinadas pelo juiz João Filho de Almeida Portela, da 1ª Vara de Comodoro, e estão sendo efetuadas em várias cidades, incluindo Cuiabá e Comodoro.
 
(Com informações do site www.g1.globo.com/matogrosso)
 
Assessoria de Imprensa OAB/MT
(65) 3613-0928
www.twitter.com/oabmt
 

Facebook Facebook Messenger Google+ LinkedIn Telegram Twitter WhatsApp